Produtor – YEP (Young EVOO Producers)

YEP – YOUNG EVO PRODUCERS 

Um grupo de nove produtores de azeite de alta qualidade Trás-os-Montes juntou-se para ganhar força no mercado nacional e internacional. Aos seus produtos ‘premium’ acrescentaram diversidade de ‘terroir’. São os YEP. (young Evoo Producers). EVOO (Extra Virgin Olive Oil) é a sigla que a Europa adota para indicar azeite de alta qualidade.

Provenientes da mesma região, estes seis azeites destinam-se à “finalização”. Quer isto dizer que se adequam a cada prato, exatamente como acontece com o vinho. “Os azeites transmontanos, tipicamente amargos e picantes, são bons com carne grelhada”, por exemplo, explica Francisco Pavão, um dos produtores da (Casa de Santo Amaro).

 

O “ouro verde” português vive um bom momento. Há cada vez mais uma educação por parte do consumidor relativamente a este produto da dieta mediterrânica – embora seja ainda muito usado para cozinhar e não para finalizar. Mas há ainda um imenso percurso a percorrer. O azeite premium nacional tem conquistado clientela essencialmente no estrangeiro – o Japão, por exemplo, consome metade do azeite de Portugal – em parte incentivados pelos benefícios para a saúde. Por lá, o consumo de azeite cresceu 1200%. Por cá, num país produtor de azeite, os portugueses consomem menos de 8 litros deste néctar por ano. É este dado que os YEP querem mudar – já agora, explicar que na expressão “Young Evoo Producers” “Evoo” significa azeite virgem extra em inglês.

Foi precisamente o mercado internacional quem reconheceu primeiro a qualidade do azeite português. No caso de Edgar Morais, à frente da casa Caixeiro há três anos, tem na Noruega, nos EUA e no Brasil a quase totalidade dos seus compradores. Vende 12.000 garrafas por ano e sente que nestes destinos os produtos ‘premium’ são valorizados. Foi o avô de Edgar quem começou a fabricar azeite, no lagar da aldeia. Era caixeiro-viajante – daí a escolha do nome. O pai seguiu-lhe as pisadas, mas só quando Edgar – que é ‘designer’ – decidiu dar uma roupagem moderna à casa se revolucionaram também os métodos de produção.

Cada um destes seis produtores tem a sua história. Juntos acreditam que podem fazer face a novos desafios. Esta semana, lançaram uma edição limitada do seu “blend”, o “six elements”, um azeite embalado num frasco de perfume, com uma mistura de variedades dos seis. As 2400 garrafas geraram um “azeite irreverente, bastante frutado, com notas verdes, amargas e picantes, com um fim de boca excelente, que liga lindamente com carne DOP, presunto ou gelados”, sugere Francisco Pavão.

O azeite Six Elements, lançado pelo grupo em 2017, é um blend do melhor de cada um. Reune terroirs diferentes do norte de Portugal. O resultado é um azeite complexo, marcante, intenso, como as terras transmontanas. As variedades são as características da região: cobrançosa, verdeal e madural.